top of page
Buscar
  • Foto do escritorStudio SP

STUDIO SP ENCERRA CICLO TEMPORÁRIO APÓS MAIS DE 150 SHOWS, 40 MIL PESSOAS E 14 MESES DE ATIVIDADES

Casa reabriu no mesmo endereço histórico da Rua Augusta, 591, com shows da cantora Céu em novembro de 2021, estimulando a retomada do setor de eventos na cidade, com patrocínio da Heineken e do Mercado Bitcoin


O Studio SP anuncia o encerramento do seu segundo ciclo de existência após o período de reabertura temporária. A icônica casa de shows reabriu as portas em 2021 com duas datas da cantora Céu, e teve o intuito de fazer parte da retomada dos eventos culturais após a fase mais aguda da pandemia. Foram 163 datas em que mais de 40 mil pessoas visitaram a casa, entre novembro de 2021 e fevereiro de 2023, no mesmo endereço histórico onde o Studio havia encerrado as atividades em 2013, a Rua Augusta, 591.


O Studio cumpriu o contrato de um ano que havia sido previamente estabelecido com os patrocinadores, estendendo a programação em dois meses após o adiamento dos shows de janeiro e fevereiro de 2022 por conta da variante ômicron da covid-19. A marca Studio SP entra em novo estado de hibernação a partir de agora.


Pioneiro no movimento de retomada cultural da região central da cidade em 2021, o Studio SP funcionou como um pólo de resistência cultural no Baixo Augusta, estimulando novos e diferentes empreendimentos na região. Na época da reabertura, cerca de 300 imóveis tinham placas “Aluga-se” nos entornos – depois, muitos foram ocupados por bares, restaurantes e baladas, entre diversas outras iniciativas.


Honrando o caráter político, ativista e de resistência da casa, o Studio também foi palco de intervenções políticas em um momento delicado da história da democracia brasileira. Em outubro, a casa recebeu o presidente Lula na gravação da live Brasil do Futuro, um dos seus últimos atos públicos de campanha antes das eleições. A agora ministra do Meio Ambiente Marina Silva fez o lançamento da sua candidatura ao Congresso no palco do Studio SP, que também transmitiu, em um telão, os principais debates presidenciais do ano, de maneira gratuita. Ao longo desses meses, passaram pelo Studio nomes como Fernando Haddad, Sônia Guajajara, Guilherme Boulos, Augusto de Arruda Botelho, entre muitos outros. A casa também serviu de palco para a gravação do podcast Cultura e Desenvolvimento, em que personalidades como Djamila Ribeiro, Bela Gil, Preto Zezé e outras discutiram caminhos para a cultura e para a economia criativa do país.


Neste período, Tom Zé compartilhou no palco seu novo trabalho e grandes clássicos da sua carreira, como “Augusta, Angélica e Consolação”, cantada em coro em plena Rua Augusta por uma casa lotada. Chico César brindou a audiência da casa todo “Vestido de Amor”, em julho de 2022, prenunciando tempos melhores no país. Grandes estrelas da nova música popular brasileira estiveram conosco, reforçando o DNA original da casa de receber talentos em diferentes fases de suas carreiras: subiram ao palco do Studio SP nomes como Luedji Luna, FBC, Tuyo, Bala Desejo, Rico Dalasam, Chico Chico, Juliana Linhares, Febem, Tássia Reis, Jup do Bairro, Yung Buda, Amaro Freitas, Daniel Furlan, Duda Brack, Glue Trip, Mahmundi, Paulo Miklos, Jorge du Peixe, Francisco, el Hombre, Far From Alaska, Inocentes e Selvagens à Procura de Lei.


Artistas toparam se reencontrar com o Studio SP na nova fase: a reabertura oficial, em novembro de 2021, foi uma data dupla da Céu, uma das grandes artistas do Brasil e que lá atrás havia começado sua caminhada junto com o Studio. Tulipa Ruiz, Tiê, Marcelo Jeneci, o Metá Metá, Otto, Mariana Aydar, Alice Caymmi, Curumin, Bárbara Eugênia, Vanguart, Mombojó – nomes que se tornaram quase sinônimos de “Studio SP” naquela época voltaram a se apresentar no palco da casa, oito anos depois. Também estão neste grupo a banda Del Rey, André Frateschi, Miranda Kassin, BNegão, Tatá Aeroplano, KL Jay, Rodrigo Ogi e a banda Eddie, entre outros.


O Studio estabeleceu diferentes parcerias institucionais. Uma foi com a Noite Fora do Eixo, com o coletivo por trás da Mídia Ninja. O Coala realizou diversas “Noite Coala” no espaço da Rua Augusta. A Nova Brasil FM trouxe a noite Ensaios da Nova Brasil.


A Roda de Samba do Studio SP, conduzida pela cantora e cavaquinista Dessa Brandão, ocorreu de maneira gratuita por diversos domingos de 2022. O carnaval – contexto intimamente ligado à história da casa e dos seus sócios, também fundadores do Bloco Acadêmicos do Baixo Augusta – também esteve presente. Charanga do França, Ritaleena, Filhos de Gil, Confraria do Pasmado, Casa Comigo, Tarado ni Você e Lua Vai passaram pela casa. O Studio teve a honra de receber em seu palco o Fundo de Quintal, grupo fundamental da história do samba brasileiro.


A casa retomou o projeto Cedo e Sentado. Entre novembro de 2021 e maio de 2022, foram 16 datas, com shows de mais de 40 artistas, grupos e bandas, com entrada gratuita, no projeto voltado à formação de público para novas bandas e democratização do acesso à música. Nomes como Nina Maia, Chico Bernardes, Trevo, Rico Manzano, Ashira, Chinv, Malu Magri, Betina, Nelson D, Atalhos, Crime Caqui, Marina Melo e 2DE1, entre muitos outros, colaboraram com o Studio e subiram ao palco neste período.


Tatá Aeroplano foi DJ residente, e nomes como Leandro Pardi, Brenda Ramos, Brazook, DJ Maravilha, Miria Alves, Transpira Transpira, MissMá, Papaleo, Lys Ventura e Pensanuvem estão entre aqueles que operaram o som. Festas e bailes como Sintonia, Baile da Massa Real, Baile da Samucagem, Chamego e Calefação Tropicaos também fizeram parte da agenda.


Na decoração da nova versão, o pixo e os lambe-lambes ocuparam papel central. O projeto visual foi teve a participação de GG Learte (autor da nova logo e da fachada, bem como de artes internas), Zé Carratu (responsável pelo desenho do palco), Francio de Holanda, Jey, Mathiza, MuxiMuxi, Rodrigo Chã, AltoContraste, Ygor Marotta e Verena Smit. A identidade visual dos materiais de comunicação e da fachada do Studio SP foi desenvolvida pelo Studio Cama, do designer Felipe Cama. A identidade visual levou duas medalhas do Brasil Design Award 2022, um dos maiores prêmios da área no país.


Nada foi fácil. O Studio reabriu em um momento em que os protocolos de segurança frente à pandemia ainda não eram da confiança absoluta de todos, e junto com o público e atenta às orientações das autoridades de saúde, a casa aderiu em diversos momentos aos protocolos de exigência do passaporte de vacinação, uso de máscara, lotação reduzida, ampla oferta de dispensers de álcool em gel. Nos dois primeiros meses de 2022, o Studio decidiu por não realizar shows que já estavam previamente marcados, apesar de não ter havido na época um impedimento público, para proteger audiências, equipe e artistas da variante Ômicron, que se espalhava rapidamente pelo país.


“Foi uma satisfação revistar esse projeto tão importante para minha vida e para a vida de tantas pessoas”, comenta o sócio e fundador do Studio SP, Alê Youssef. “Certamente esse é apenas um ‘até logo’. Foi surpreendente a força da marca que tanto tempo depois manteve inequívoca relevância cultural e política e recebeu tanto carinho do público. Studio SP representa renovação e resistência cultural. Tenho certeza que ele pode voltar em outros tempos e formatos”.


Parcerias


Em 2021, oito anos depois do encerramento das atividades em 2013, a casa paulistana retornou com foco no momento de retomada cultural da cidade. A iniciativa foi fruto da parceria entre o fundador do Studio SP, Alê Youssef, e a cerveja Heineken®. Também participaram do projeto, como sócios, o empresário e presidente do Bloco Acadêmicos do Baixo Augusta, Alê Natacci, e Ronaldo Lemos, apresentador do programa Expresso Futuro e ex-curador do Tim Festival.


O Mercado Bitcoin foi outro apoiador da casa. O espaço do Studio SP voltado para a inovação, democracia e mistura de novas ideias traz uma conexão com o cenário da nova economia digital. A parceria com o Mercado Bitcoin fortaleceu esse ecossistema e trouxe protagonismo para a retomada do incentivo à cultura.


Histórico do Studio SP


A história do Studio SP é totalmente vinculada com a trajetória de uma nova cena musical que se consolidou em São Paulo nas duas últimas décadas. Na sua primeira fase – entre 2005 e 2013, primeiro na Vila Madalena e depois na Rua Augusta – a casa lançou, formou público ou manteve residências fixas de nomes como Criolo, Céu, Daniel Ganjaman e Instituto, Hurtmold, CSS (Cansei de Ser Sexy), Bonde do Rolê, Cidadão Instigado, Cérebro Eletrônico, Karina Buhr, M.Takara, Junio Barreto, Davi Moraes, Macaco Bong, Lucas Santtana, Jumbo Elektro, Thalma de Freitas, Turbo Trio, Maquinado, Mallu Magalhães, entre outros. De 2005 a maio de 2013 foram em média 300 shows por ano, totalizando cerca de 2.500 apresentações. O Studio SP se transformou em um dos pontos de referência da revitalização da área que ficou conhecida como Baixo Augusta. A casa também foi a primeira sede do Bloco Carnavalesco Acadêmicos do Baixo Augusta.


Ficha técnica

Programação: Roberta Youssef

Comunicação: Guilherme Sobota

Gerência / operação: Will Souza

Produção técnica: Fábio Britto de Almeida (Fabox)

Design - Studio Cama / GG Learte

Cenografia: Ze Carratú

Bar: Márcio Nogueira

240 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page